domingo, 13 de abril de 2008

"Eu tô querendo namorar um cara"


Quase sempre de preto, a cantora Ana Carolina, ícone gay, recém-separada de uma mulher, diz que vai inaugurar uma fase mais "colorida", anuncia que está em busca de um namorado e revela: "Eu adoro o homem pra transar"

Ana Carolina costuma erguer o queixo quando conta uma história. Faz longas pausas entre uma frase e outra e, quando conclui o assunto, desata a gargalhar. "Eu toco desde os 16 anos na noite... é... sabe como é que é.... pra rolar uma grana, né? Fiquei tocando até os 24. E... você toca pra dois casais, pra dez pessoas, 15... Se desse muita sorte, eu fazia show até pra cem pessoas... Hahahaha!"

Agora, aos 33 anos, a cantora começou uma turnê que terá 2.400 pessoas por noite na platéia, no Rio de Janeiro. No dia 6 de junho, ela desembarca em São Paulo para temporada de shows no HSBC Brasil. Acaba de lançar um selo musical, Armazém, e um DVD. Contabiliza dois milhões de discos vendidos, sendo cinco solos e um em dupla com Seu Jorge.

"Foi tudo muito louco", diz ela, de olho numa travessa de pão de queijo que aparece na mesa. "Cacete! O pão de queijo tá quente! [comendo de boca aberta] Tô quase molhando na Coca-Cola! Hahahaha! [séria de novo] Então, uma amiga em comum minha e da Cássia [Eller] gravou um show meu e ela viu, gostou. Quando vim pro Rio, fiquei na casa dela."

E continua: "Em 1998, a Luciana, filha do Vinícius [de Moraes] pegou um demo meu e levou pra BMG. Uma semana depois, eu já tava gravando. Muito rápido. Eu lutei muito pra chegar aqui e agora não dá pra dizer: "Ai, que saco, os fãs...". Eu gosto muito de gente. Hum... essa frase não é boa pra jornal, né? É que eu gosto de saber o que vêem no meu trabalho. Eu já ouvi muita coisa louca. É sempre muito divertido".

O "divertido" a que Ana se refere inclui uma fã que tatuou na perna a capa de um de seus discos e muitas que já tentaram roubar beijos seus.

Um dia antes do show no Rio, a coluna acompanhou um encontro de fãs com Ana num restaurante do Fashion Mall, na Barra da Tijuca. A assessoria da cantora tentou selecionar umas "fãs mais calmas" -duas delas parcelaram a passagem e vieram de SP para o encontro. Outra pegou avião de Joinville (SC) e matou trabalho só para ver a cantora "pela milésima vez". Quando Ana chega, sessão de fotos e lágrimas.

"Não é porque elas gostam muito de mim, é porque eu gosto muito delas. Eu sou muito romântica nessas horas. Tento passar liberdade pra elas", justifica. "Vou cantar que comi a Madonna, vou botar uma menina chupando meu pau, vou falar sobre minha bissexualidade. É bom poder falar de tudo." A bissexualidade da cantora, aliás, gerou polêmica entre fãs que reclamam que Ana devia ter assumido ser lésbica e namorar só com mulheres. "Eu sei o que eu faço nas minhas quatro paredes. Elas podem dizer o que quiserem."

A cantora diz que nunca ficou com uma fã. Até porque, agora, está mudando, digamos, de idéia. "Eu tô querendo namorar um cara. Vamos ver. Eu tô solteira e tenho prestado bastante atenção nos homens, assim... Inclusive, se alguém quiser... Hahahaha!". Solteira (de uma mulher) há dois meses, Ana diz que já teve "uns oito ou dez namorados" e, depois, começou a "namorar meninas". Ela conta as vantagens de um e de outro sexo: "É o seguinte: o homem é um ser mais reto e mais simples. Portanto, mais direto. Você já namorou mulher? Não? A mulher é mais complexa, tem mais nuances. O homem, não. Eu adoro o homem pra transar. No dia-a-dia, ainda não encontrei um cara que eu agüente, porque eu gosto da complicação. Mas uma coisa mais simples agora seria ótimo. Hahaha!". Quase sempre vestida de preto, ela diz que está "tentando ficar um pouco mais colorida". "Até porque, para os homens, né... Mentira! Só falta aparecer no show com flor no cabelo, decotão... Hahaha!".

A brincadeira não é tão falsa: ela comprou tecidos para fazer várias blusas coloridas. "Vai ser um passo maravilhoso. Levei ao estilista e ele me falou: "Vamos fazer vestidos?" E eu: "O que que é isso? Não, não, calma!" [rindo] Vamos ver, né?".

No restaurante, ela pede caipirinha de Absolut com morango e hortelã, sem açúcar (Ana é diabética). De camiseta do fã-clube, sombra prateada e brincos de strass, a fã Jéssica Reis, 21, pede o drink igualzinho. Também só come o que Ana Carolina come: shitake e outras entradinhas.

"Eu criei a comunidade [do Orkut] Anarcóticos Anônimos", diz. E a cantora: "Hahaha!". "Todo show a gente entra no camarim", explica Sylvana Albuquerque, a fã de Joinville.

Sylvana diz que "as músicas dela se encaixam em todos os momentos". E aquela da Madonna, em que Ana diz ter "comido" a estrela? "Você quer mesmo que eu te conte? [risos] A gente fez a versão "Eu comi a Donana'!", conta. "Mas, olha, a gente não gosta de fanatismo. Em Porto Alegre, uma garota tentou beijar Ana. Absurdo!"

Horas depois do encontro com as fãs, a cantora vai para um sarau no estúdio do compositor Dudu Falcão, onde estão Danilo Caymmi e sua mulher; Max Viana, filho de Djavan; Jorge Vercillo e outros músicos. Ana mostra a afinação de um violão. Danilo aprova e toca flauta.

"Dá vontade de afinar todos os violões assim", diz Max, de long neck Stella Artois em mãos. "Todos os violões do mundo!", completa Ana, que, pouco depois, está deitada no chão, no meio da roda, dedilhando algo no instrumento.

Fonte: Folha de São Paulo

2 comentários:

Nikole Lima disse...

Kissi,
tô azul com a notíciaa
:o

tem noçãaoooo?!?!


Mas meldelz.
quem me deraaa.


:')


Beijo.
s2

fa clube ana carolina disse...

caracaaaaaaaaa eu to sem acao!!!
sem palavras...
to sem ar!!!!